22.11.06

21

nada a dizer

dias de muita chuva

nem muito lá nem muito cá

mas como eu gostaria de tudo fácil ao extremo

apenas cama televisão e leitura

mais uma generosa porção de sexo bastante comida e bebida e liberdade para pitar meu cachimbo

mas querer isso é querer muito

já tenho tudo

esta tranqüila escravidão

e quem me ame e cuide de mim e me faça ter vontade de viver

e o tempo é tão pouco

depois da vagabundagem quase não dá para fazer mais nada

deixo a luta para amanhã

vou dormir mais um pouco aqui na beira do abismo

onde quer que eu esteja nunca acontece nenhuma maravilha nem nenhum cataclismo

sendo assim

já que nada vai mudar

para que passar água na peneira

a água simplesmente passará

quando fizer frio terei um cobertor

quando fizer calor terei uma brisa

e sempre que me sentir só terei esta legião de desejos